Páginas

Marcadores

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

SAUDADE E REVOLTA

Foto de Giancarlo M. de Moraes

Para onde foi a sanga,
que eu pescava com os guris,
joanas, carutes, lambaris,
trairinhas e jundiás,
no velho poço do “Angá”,
onde o banho era um retoço,
com a água até o pescoço
e onde eu aprendi a “nadá”?

 
Já não existe a pinguela,
daquele angico caído,
que tinha um galho torcido,
com um cipó enrolado,
onde os guris pendurados,
se faziam de artistas,
com façanhas malabaristas,
dando risadas e pelados.

 
Até o matinho dela,
que ia ao pé da coxilha,
onde eu cortava forquilhas
das pitangueiras e camboins,
em tudo deram um fim,
embebidos de ganância,
só ficando de herança,
saudade e revolta em mim!

 
Por que mataram a sanga,
não respeitando a coitada,
fonte de água abençoada,
que serpenteava lá fora?
Talvez a oferta de uns cobres,
promessa de enriquecer pobres,
que estão mais pobres agora!


Nenhum comentário:

Postar um comentário