Páginas

Marcadores

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O VELHO BUGRE E O HOMEM DO CARROÇÃO


         Passava um pouco do meio dia. O sol tinia de quente. Um dos cachorros deu um avanço. Olharam pela janela e viram que despontava na estrada um carroção de quatro rodas, coberto por uma tolda de pano e puxado por dois cavalos “lazão” malacara.
         Era conduzido por um homem claro, de chapéu com abas pequenas e a copa redonda. Usava óculos e botas estilo caipira e falava com sotaque de estrangeiro.
         Parou na estrada em frente à porteira, levantou-se do banco tirou o chapéu e pediu licença.
         - Vai lá guri, abre a porteira, manda o homem passar e leva o carroção pra sombra das taquareiras, disse o pai.
         O guri foi. O homem apeou, se dirigiu pro lado da casa, onde o dono esperava.
Ao conduzir o carroção pra sombra, o guri viu que sentado no recavém, com as pernas dependuradas, vinha um bugre velho. Ajudou desatrelar os cavalos e alcançando um porongo, cortado em forma de tigela, pediu água, depois deitou num vão entre as taquaras.
O dono do carroção sentou-se à sombra, tirou um lenço pra enxugar a testa e comentou sobre o calor.
Perguntado se já havia almoçado, disse que sim. O dono da casa ainda perguntou de onde ele viera e ele disse: de muito longe!
- Aceita um mate?
- Não, só um pouco de água.
Entre um gole e outro, o homem perguntou se a família era grande.
-Eu, a mulher, este guri, aquela pequena que está agarrada no vestido da mãe e (depois de um pigarro e olhar tristonho continuou) uma menina moça que está muito doente lá no quarto. Trouxemos ontem do hospital, desenganada.
- O que houve?
- Sabe o senhor? Quando veio as “regra” ela tomou banho na água fria da fonte, enquanto lavava roupa. De lá pra cá, nunca mais se afirmou.
O homem pediu pra ver a mocinha. Depois foi no carroção e voltou vestido com um roupão branco e uma maletinha na mão. Mandou que todos fechassem os olhos e que tivessem muita fé. Só era pra abrir os olhos quando ele mandasse. Assim foi feito.
Não lembram os minutos que ficaram de olhos fechados e nem viram o que foi feito. Lembram de que tudo ficou no mais absoluto silêncio.
O homem voltou no carroção, tirou o roupão e veio pra sombra. Pediu que nada fosse falado no que havia acontecido minutos atrás  e que só fossem no quarto da mocinha, depois que ele fosse embora. Continuou falando apenas de coisas comuns, por mais um tempo.
Assim a tarde foi passando, até ele pedir que atrelassem os cavalos pra ir mais adiante.
Foram até a porteira com ele, porém o guri notou a falta do bugre. Intrigado, indagou ao homem: o bugre não vai junto? Ele respondeu que o bugre quando foi chamá-lo, disse que há muito tempo morava ali.
A roda do carroção desquinou o barranco deixando a descoberto um caco de panela de barro.
Quando voltaram pra dentro de casa, a mocinha caminhava pela casa como antes da doença.
Na vizinhança ninguém viu o carroção passando pela estrada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário