Páginas

Marcadores

sábado, 27 de setembro de 2014

A VELHA E A GAVETA

        Numa tarde chuvosa, aquela senhora cuja idade se refletia no “cocó” do cabelo, tirou para por ordem nas gavetas, coisa que há muito já vinha planejando, mas não achava tempo. Muita quinquilharia acumulada.
        Óculos quase escapando da ponta do nariz, o gato no colo, a cocota no ombro e o cachorrinho mimoso fazendo o chinelo de travesseiro eram seus companheiros. O velho roncava numa cadeira preguiçosa. Os cachorros dele ficavam do lado de fora.
        Ela tirou a primeira gaveta do lugar e despejou tudo sobre a mesa. Começou a separar o útil do ocioso, ou melhor, catar, catar, ciscar...
        Espantou o gato do colo para que a gaveta ali ficasse, pois devolvia para ela os objetos selecionados como aproveitáveis. O gato quando pulou para o chão, deu um tapa no cachorrinho e foi para o colo do velho que continuou roncando.
        Lá fora os pintos abrigavam-se contra a casa, retesados como soldados na posição de sentido. Já por sua vez os patos, ou espanavam as penas ou chafurdavam as poças d’água.
         E aquela senhora de “cocó” no cabelo, continuava a ciscar na gaveta que ia enchendo de novo. Instintivamente assobiava notas sem formar uma música.
        O velho roncava, o gato no seu colo ronronava, o cachorrinho mudou a posição, agora já ocupando somente um chinelo e a cocota tentava imitar o assobio da velha.
        E a gaveta engolindo novamente a quinquilharia.
        Uma trovoada acordou o velho que atirou longe o gato e reclamou que já estava na hora do café, que apetecia bolo frito.
        A velha continuou ciscando e a gaveta enchendo.
      Agora a cocota subiu do ombro para o “cocó” do cabelo da velha e começou a catá-la e puxar com o bico a alça dos óculos. O gato tentava pular novamente no colo do velho que o afastava com as costas da mão.
        Lá fora a chuva continuava, só que mais forte. Uma goteira iniciou a cadência sobre a cômoda, fazendo que o velho levantasse, a mando da velha, para colocar uma bacia aparando a água.
        Voltou para a cadeira preguiçosa e continuava reclamando o café com bolo frito.
        A goteira enchia a bacia e a velha de “cocó” no cabelo enchia a gaveta.

2 comentários:

  1. Oi amigo, gostei de vir aqui e conhcere teu blogue. Deu vontade de chegar em casa e Parabéns Parabéns pelo conto.
    Abraço

    ResponderExcluir