Páginas

Marcadores

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

POIS É, TALVEZ, QUEM SABE?

Morava nas taquareiras,
peleando com a própria sina,
porque um dia sua china,
lhe traiu com um conhecido.
Viveu o resto da vida,
encharcado na bebida,
o descornado marido.

Apesar de ser purgante,
era um pobre vivente
e filho de boa gente,
como o povo dizia.
Mas será que a traição,
não foi a principal razão,
pela qual ele bebia?

Pois é, talvez, quem sabe?
Ninguém se importou com isto,
só enxergaram o vício,
naquele negro coitado.
Nunca lhe olharam por dentro,
pra descobrir o sentimento,
de viver embriagado.

Um dia o patrão do céu,
mandou que ele subisse
e com certeza alguém disse,
descansou o pobre negro,
que viveu sem ter um teto,
sem amor e sem afeto
e carente de um aconchego.

Seu rancho foi a ramada,
no meio das taquareiras.
Viveu a sua maneira,
no acampamento simplório,
onde apagaram as brasas,
daí levado pra casa,
pena que foi pra o velório!

Nenhum comentário:

Postar um comentário