Páginas

Marcadores

sábado, 29 de setembro de 2012

O PEÃO E AS ESTRELAS


Foto de Giancarlo M. de Moraes
          A noite era tão calma quanto clara.
       O peão, após ter passado o dia na casa da namorada, retornava para o rancho, “a pézito no más”, por um atalho através campo.
       Caminhava “entertido” com a própria sombra que a lua cheia fazia projetar sobre suas botas. Às vezes atirava o chapéu uns metros a sua frente, acompanhando o encontro dele com a sombra no chão, repetindo várias vezes.
         O latido distante de um cachorro quebrou o silêncio, pressentindo que alguém transitava pelo campo.
         Contornando um capão de mato, seguiu por um trilho do gado que cortava a coxilha limpa de onde pode ver o céu com toda sua grandeza e milhões de estrelas povoando aquela invernada de propriedade do Patrão Maior.
            Contemplando as estrelas, imaginou em dar uma de presente para a sua prenda.
         Mais uma quebra do silêncio. Desta feita, um casal de quero-queros o trouxe de volta ao caminho. As aves revoavam dando rasantes sobre ele, enquanto se valia do chapéu para espantar o casal que por certo defendia o ninho.
         Após mais uns passos, tornou a olhar as estrelas, vindo novamente o pensamento de presentear a prenda. Mas qual das estrelas conseguiria dar? Todas eram dignas de um presente.
         No seu devaneio continuava caminhando e olhando para o céu.
         Ao chegar na porteira do seu rancho, a lua lhe dava boas vindas e ele olhando para trás, viu quando uma estrela se desprendeu deixando um rastro luminoso escondendo-se na coxilha por onde ele havia passado.
         No decorrer da semana, um guri a cavalo foi lhe entregar um bilhete da sua prenda, no qual dizia ter sonhado com ele chegando na casa dela, montado num lindo cavalo, repontando uma estrela cadente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário